Alemanha (Deustche)



Conforme há havia comentado, Netinha e eu saímos de Praga na Quinta-Feira (27/05/2010) rumo a Dresden, na Alemanha (a parte que, até 1989 se chamava Alemanha Oriental - Deustche Demokratik Republik (que, de "democrática", só tinha o nome...)), onde nos hospedamos por uma noite!

Para que vocês sintam a mesma emoção que Netinha e eu sentimos na Alemanha, a leitura desse pequeno resumo será ao som da Polca "Rosamunde" (Tradicional), interpretada pelo Grupo Volksmusik Hitparade!

Em pouco tempo de Viagem, Netinha e eu cruzamos a fronteira da República Tcheca com a Alemanha e, nesse dia, almoçamos na simpática Dresden, conhecida como a "Florença do Norte", às margens do Rio Elba.

Dresden hoje faz parte da Alemanha, mas até 1989 pertencia à Alemanha Oriental e há alguns séculos atrás fazia parte da Saxônia.

Netinha e eu já havíamos conhecido Frankfurt e Colônia (Köln) em 1994. Curiosamente, se essa Viagem ao Leste Europeu tivesse sido antes de 1989, estaríamos conhecendo um novo país, já que Dresden, Potsdam e Berlim ficam na parte que pertencia à Alemanha Oriental, até a queda do muro de Berlim, enquanto que as duas cidades que visitamos em 1994 pertenciam à Alemanha Ocidental.

Para nossa grande alegria, hoje a Alemanha é uma só!!! Por outro lado, se essa Viagem ao Leste Europeu tivesse sido antes de 1989, a República Tcheca e a República Eslovaca ainda eram o mesmo país (Tchecoeslováquia) e, dessa forma, o número de "novos países" que teríamos conhecido teria sido o mesmo, nesse roteiro, tanto antes de 1989, como em 2010...

E, como o famoso pássaro Fênix, Dresden, renasceu das cinzas... Em 13/02/1945, cerca de 800 aviões britânicos iniciaram uma série de bombardeios à cidade, sob o comando dos Aliados, na segunda guerra mundial, matando mais de 35.000 pessoas...

A restauração teve início logo após a segunda guerra mundial, sendo que uma nova cidade foi criada ao redor do centro antigo. Diversos edifícios foram reconstruídos de acordo com o Estilo Original, a partir de fotos e pinturas existentes...

Na foto abaixo, a Goldener Reiter, a estátua eqüestre banhada a ouro que relembra August Der Starke:



Nas três fotos abaixo, o Rio Elba:







Na foto abaixo, o Sachsischestaatsoper (Ópera Estadual da Saxônia), importantíssimo Teatro que foi inclusive o palco de estréia de diversas Óperas Alemãs, dentre as quais "Tannhäuser" e "Der Fliegend Hollander" ("O Navio Fantasma") de Richard Wagner!!!



Na foto abaixo o Zwinger (Palácio dos Prazeres), construído entre 1709 e 1732 (restaurado após a segunda guerra mundial) com um enorme pátio rodeado de galerias que abrigam diversos Museus de Arte:



A Praça do Mercado:



Nas duas fotos abaixo, Fürstenzug, a famosa parede de azulejos com o séquito de diversos Príncipes, Nobres e Cavaleiros:





Na foto abaixo, a Estátua de Martinho Lutero e também a Igreja de Nossa Senhora (Frauenkirche), a qual é uma das mais marcantes testemunhas da destruição da cidade, no dia 13/02/1945:



Construída entre 1726 e 1743, a Frauenkirche foi deixada em ruínas durante o regime comunista. A reconstrução só teve início após a queda do muro de Berlim, em 1989, tendo sido novamente consagrada em 2005.

Na foto abaixo, "escaneada" de um cartão postal, a Frauenkirche, após o maciço bombardeio de 13/02/1945:



Na foto abaixo, uma das paredes que restaram dos escombros do que foi a Frauenkirche antes do bombardeio de 13/02/1945... Logo atrás a nova Frauenkirche:



Nas quatro fotos abaixo, o Brühlsche Terrasse, às margens do Rio Elba. Conhecido carinhosamente como "Balcão da Europa", o mesmo já fez parte das fortificações de Dresden e foi transformado em jardins por Heinrich Von Brühl. Além dos jardins, existem várias Esculturas em Arte Moderna que mantêm viva a memória da História de Dresden e também do terrível dia 13/02/1945, quando a mesma foi totalmente destruída...









E, na foto abaixo, um belíssimo relógio, numa bonita e ajardinada rua de comércio, na outra margem do Rio Elba:



Até breve, Dresden!!!





No dia seguinte (28/05/2010), Netinha e eu seguimos para Berlim e, pouco antes de chegarmos à Capital Alemã, visitamos o Schloss Sanssouci no Park Sanssouci, em Potsdam, cidade bem próxima de Berlim e que já fez parte da Prússia, país que deixou de existir, após a segunda guerra mundial. Na foto abaixo, uma avenida arborizada de Potsdam, numa foto tomada da janela do ônibus:



O Park Sanssouci é considerado como um dos mais bonitos complexos palacianos da Europa. Tombado como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, também foi o local do histórico encontro de Harry Truman, Stalin e Winston Churchill, para a assinatura do famoso "Tratado de Potsdam". Nas 4 fotos abaixo, o Schloss Sanssouci no Park Sanssouci em Potsdam, lembrando que, fotos internas no lugar são proibidas, mesmo sem o uso do flash.









E, de Potsdam, seguimos para Berlim, onde entramos por onde seria o "lado ocidental", caso o "muro" ainda existisse...

A famosa cidade que já foi dividida pelo famosíssimo "muro" possui riquíssimos Patrimônios Históricos, muitos dos quais reconstruídos após a destruição em conseqüência da segunda guerra mundial, além de construções ultra-modernas, que fazem com que a Capital Alemã seja realmente uma cidade cheia de constrastes, convivendo o antigo e o moderno... Em diversos estilos...

Nas fotos abaixo, a Igreja Memorial Kaiser-Wilhelm, conhecida como a "Igreja Quebrada". Reparem na Torre Gótica despedaçada. Ao lado, da mesma, a nova Igreja, em Arquitetura Moderna:





No dia 29/05/2010, Netinha e eu fomos à Alexander Platz, que pertencia à Berlim Oriental, quando o "muro" ainda existia. Fizemos um passeio de barco muito interessante pelo Rio Spree. Na foto abaixo, Netinha na Alexander Platz:



Na foto abaixo, Netinha no passeio de barco. Ao fundo, a "Ilha dos Museus", Projeto de Karl Friedrich Schinkel entre 1825 e 1830!



Ricardinho no mesmo passeio de barco pelo Rio Spree:



Na foto abaixo, o Parlamento (Reichstag) visto do barco:



Um dia de Primavera que estava "relativamente quente" e, nas margens do Rio Spree, uma "praia"...



Na foto abaixo, Netinha no passeio de barco pelo Rio Spree. Ao fundo a Catedral Berliner Dom:



Visitamos o Berliner Dom e subimos até a varanda em torno da cúpula:







Ao fundo, a Catedral Berliner Dom:



E, novamente no lado que se chamava "Berlim Ocidental", o Jardim Zoológico (Zoologischer Garten):



Uma Obra de Arte Moderna no jardim:



E uma corrida de bicicleta, no Domingo (30/05/2010):



Agora, um pouquinho sobre o famosíssimo "muro de Berlim"... Die Mauer (1961 - 1989):

A Alemanha ficou dividida em duas, após a segunda guerra mundial e, embora Berlim se situasse na então Alemanha Oriental (República Democrática (só no nome...) Alemã), a cidade foi dividida em duas, sendo que no "Lado Ocidental", a mesma era como que uma "ilha", administrada por um "consórcio" entre os Estados Unidos, a França e a Grã-Bretanha. E o "Lado Oriental" era administrado pelo Bloco Soviético.

Na figura abaixo, a divisão de Berlim Ocidental (Azul) e Berlim Oriental (Vermelho):



O "muro" não apenas dividia a parte azul (Ocidental) da parte vermelha (Oriental), mas o mesmo rodeava e isolava toda a parte azul (Berlim Ocidental). Tais instalações de bloqueio tiveram início no dia 13/08/1961, com o intuito de frear o número cada vez maior de fugitivos da Alemanha Oriental que era o lado comunista, dominado pelo Bloco Soviético.

Tal bloqueio contou com apoio da então União Soviética e dos outros países do Pacto de Varsóvia. E, o que eram, de início, cercas de arame farpado, foi transformado em dois muros de 4 metros de altura, com alguns poucos pontos oficiais de transição, que eram na verdade "fronteiras bem tensas", como era o caso do Checkpoint Charlie.

Menciono "dois muros", pois entre os dois muros haviam cães ferozes, soldados armados vigiando, além de diversas cercas de arame farpado e "miguelitos" os quais tornavam praticamente impossível qualquer tentativa de transposição, já que não bastava apenas "pular um muro"...

O "muro" contornou toda Berlim Ocidental num total de 162 Km. Consta que 80 pessoas morreram tentando transpor essa "fechadíssima fronteira"...

Até que no dia 09/11/1989, a fronteira foi aberta, tornando-se permeável para ambos os lados. E foi o início da "queda do muro de Berlim", que foi, sem dúvida, um momento maravilhoso na História Universal, nessa época em que a Hungria já estava se tornando um País Democrático e, pouco tempo depois, Vacláv Havel iniciava um período democrático na então Tchecoeslováquia e Mikail Gorbatchév dava início à Perestróika!!!

Vamos ver agora os "pedaços do muro" que ficaram para contar a História:



Agora é mais fácil "carimbar o passaporte"...



Agora é muito mais fácil "pular o muro"...



O Checkpoint Charlie:



E, de um modo geral, diversos lugares por onde "passava o muro" mantém no chão o traçado para que o mesmo não seja esquecido. Na foto abaixo, Ricardinho com o pé esquerdo em Berlim Oriental e o pé direito em Berlim Ocidental:



Não dá prá ficar "em cima do muro"...



Um "pedaço restante do muro", também serve como uma espécie de "Galeria de Arte Moderna", a East Side Gallery:



No que era o "Lado Oriental" de Berlim, ficava também a Potsdamer Platz, cujas adjacências ganharam uma "incrível modernidade", após a "Queda do Muro". Nas duas fotos abaixo, o Sony Center, bem próximo à Potsdamer Platz:





A Orquestra Filarmônica de Berlim se situa bem pertinho do Sony Center. Nas duas fotos abaixo o Teatro da Berliner Philharmoniker:





Uma das melhores Orquestras que existem, a Filarmônica de Berlim era regida pelo Maestro Herbert Von Karajan, até 1989, quando ele faleceu, aos 81 anos de idade. Na foto abaixo, a placa com o nome da Rua Herbert Von Karajan, em frente à Sede da Berliner Philharmoniker:



Uma pausa para uma Cervejinha Alemã... Estão servidos?



Visitamos também o Pergamonmuseum, construído entre 1912 e 1930, e que possui três acervos independentes, os quais resultaram de intensas escavações arqueológicas feitas por expedições alemãs, formando uma das mais famosas coleções de Antigüidades da Europa. Nas três fotos abaixo, o Pergamonmuseum, com destaque para a Sala que procura retratar como era a Babilônia (cor azul):







E, no Memorial do Holocausto, retratando de maneira simbólica os horrores sofridos pelo Povo Judeu, por parte dos nazistas... Caminhar entre os diversos "blocos" causa diversas inexplicáveis sensações e, em diversos corredores, costumam existir cercas de arame, descontinuidades, e obstáculos diversos, de modo que, para se atravessar de um lado para o outro, nem sempre é possível fazê-lo em "linha reta"... Possivelmente uma amostragem "simbólica" do quão difícil era a vida nos campos de concentração e a impossibilidade de fuga dos mesmos...







Finalmente, o famosíssimo Portão de Brandenburgo, ao por-do-sol!!! Sem dúvida, um dos principais cartões postais não só de Berlim, mas de toda a Alemanha:





Construído com arenito em 1791, projeto de Carl Gotthard Langhans, o Portão de Brandenburgo une a História da Prússia e a da Alemanha. De início, ele seria chamado de "Portão da Paz", no entanto, a paz algumas vezes foi perturbada, por exemplo, por Napoleão Bonaparte em 1806 e pelos nazistas a partir do dia 30/01/1933. Na foto abaixo, a "Quadriga" (de Johann Gottfried Schadow) que foi instalada no topo do Portão de Brandenburgo em 1794:





E, até breve, Dresden, Potsdam, Berlim e Alemanha!!! Na Segunda-Feira (31/05/2010), Netinha e eu "cortamos o estradão", rumo à Polônia, a terra-natal de Nicolau Copérnico, Friedrick Chopin e Karol Wojtyla (Papa João Paulo II)!!!


Clique aqui e continue viajando conosco pelo Leste Europeu!


A todos, um grande abraço de Netinha e Ricardinho!







Voltar ao Topo