India




É com satisfação que apresento algumas fotos e algumas considerações sobre a viagem que Netinha e eu fizemos à India, com conexão no Dubai no período de 08 a 26/09/2015!

Quero convidá-los a sentir a mesma emoção que Netinha e eu sentimos. E, para isso, a leitura desse pequeno "micro-site" será ao som da belíssima melodia intitulada Dhun, adaptada pelo inesquecível Sitarista Ravi Shankar, baseada em Melodias Folclóricas Indianas, e tocada no Sitar (Típico Instrumento de Cordas Indiano => foto do mesmo logo abaixo) pelo próprio Ravi Shankar, acompanhado por Alla Rakha na Tabla (Espécie de Tambor Indiano)!!! Será possível inclusive meditar...

Embarquem conosco nessa interessantíssima Viagem e venham viver essa emoção nesse país, tão cheio de "contrastes" tão característicos envolvendo as diversas Culturas e Religiões!!!

Essa nossa Viagem teve início a partir de São Paulo-SP, no Aeroporto de Guarulhos-SP (Cumbica), no Vôo EK-262 da excelente Empresa Aérea Emirates (a 00:05 do dia 08/09/2015), rumo a Dubai, onde chegamos por volta das 00:30 do dia seguinte (17:30 no horário de Brasília-DF), num Vôo direto que dura 15 horas e que talvez seja o mais longo entre os que saem do Brasil, atualmente! Houve também um atraso de 2 horas na decolagem, devido ao temporal que havia fechado o Aeroporto de Cumbica nesse dia.

Após um pernoite no Dubai, seguimos para Delhi no Vôo EK-514 também da Emirates, com pouco menos de 3 horas de duração!

Viajamos pela excelente Empresa Queensberry, no Roteiro IND19.

E nossa Agência de Viagens foi a excelente Nanci Tour, cuja proprietária é Nanci de Fátima Siqueira de quem somos clintes desde 1989!

O fuso horário no Dubai é de 7 horas a mais do que Brasília-DF (4 horas a mais, em relação ao Meridiano de Greenwich, já que o Dubai não estabelece o Horário de Verão) e, na India, o curiosíssimo fuso de 8,5 horas a mais do que Brasília-DF (5,5 horas a mais, em relação ao Meridiano de Greenwich!

Conforme já citei logo acima, a India é o "País dos Contrastes"...

Após 4 Vôos Domésticos pela Air India, nosso retorno foi também pela Emirates, no Vôo EK-511, no dia 23/09/2015 de Delhi para Dubai, onde ficamos por três noites e pudemos rever um pouquinho de Dubai e Abu-Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos!!!

Mais detalhes sobre a Viagem que Netinha e eu já havíamos feito ao Dubai e à Jordânia, podem ser vistos no micro-site Dubai e Jordânia - 2011.

Retornamos ao Brasil no Vôo EK-261, no dia 26/09/2011 às 08:35 (hora de Dubai), com chegada ao Aeroporto de Cumbica por volta das 16:05 (hora de Brasília-DF), no mesmo vôo direto já mencionado logo acima.

Uma curiosidade: todos os Vôos pela Emirates foram em Boeing 777-300ER, enquanto que os Vôos pela Air India foram em Airbus 319 e Airbus 320.


Ah, sim: caso vocês observem que alguma(s) foto(s) esteja(m) faltando, basta posicionar o cursor do mouse dentro do respectivo retângulo, clicar com o botão direito e escolher a opção "Mostrar imagem". Caso não apareça, tente novamente o mesmo procedimento. É possível que algumas fotos demorem para aparecer devido a lentidão da rede do provedor.


Existe muita coisa interessante nessa terra tão cheia de contrastes que visitamos!

Na ilustração abaixo, o mapa da India, mostrando também os países vizinhos tais como Paquistão, Nepal, Bangladesh, Butão e Myanmar:



Chegamos em Delhi, a Capital Indiana, onde passamos a noite de 10 a 11/09/2015, e, no dia seguinte, seguimos de ônibus de turismo para Jaipur, a Capital do Rajastão!!!

Na foto abaixo, no Aeroporto Internacional Indira Gandhi, em Delhi, as boas vindas, em Hindi e em Inglês:



Em Delhi, Netinha e eu nos hospedamos no Le Meridien. Na foto abaixo, a entrada do hotel:



De acordo com matéria publicada na Revista Viagem e Turismo de Julho/2014, a India é " a Nação que é a 'Mãe da História, Avó da Lenda e Bisavó da Tradição', como descreveu o Escritor americano Mark Twain, caminha sozinha desde que cortou o cordão umbilical britânico, em 1947. Um caldeirão com 1,2 bilhão de pessoas e 16 idiomas oficiais. E dá-lhe contradições: a maior democracia do mundo divide-se em milhares de castas, é milionária e miserável, tem Gurus espiritualizados e materialistas, aeroportos moderníssimos e estradas caindo aos pedaços.

Eles inventaram o Kama Sutra, mas proíbem o sexo no cinema, e têm mais celulares nas mãos do que banheiros em casa. Dona de uma Sabedoria sedutora, cada vez mais solicitada por nós, ocidentais, a Índia já é o destino de Wellness Travel, ou 'turismo de bem-estar', que mais cresce no planeta, a 22 % por ano.

(...)

A Índia é para ver não só de olhos bem abertos, mas arregalados. Ela testa a sua paciência e te ensina a tolerância. Dói, aperta, desparafusa. Mas visitá-la é ter a rara oportunidade de fazer uma 'viagem no tempo', de explorar uma das poucas Culturas Ancestrais a sobreviver.

Namastê! "


Saindo de Delhi, rumo a Jaipur, a Capital do Rajastão, tivemos o primeiro contato com o "caoticamente organizado" trânsito na India, de "Mão Inglesa", com diversos Tuk-Tuk' s, Riquixás, carros, ônibus, caminhões, bicicletas, motocicletas e diversas vacas e bois atravessando as pistas!!!



E, diga-se de passagem, em Delhi, o trânsito é bem mais organizado do que o que nos esperava nos demais lugares que visitamos!!!

E, curiosamente, Delhi também já possui algumas linhas de metrô que, apesar da construção ter tido início em 2008, o mesmo já é bastante abrangente e tem estação inclusive no Aeroporto Internacional Indira Gandhi!!! Predominam as linhas aéreas, panorâmicas.

E, conforme fomos nos distanciando de Delhi, fomos vendo as estradas cada vez mais movimentadas e com inúmeras surpresas que nos aguardavam...

Chegamos no final da tarde em Jaipur, a "Cidade Rosa", Capital da Rajastão. Na foto abaixo, Netinha e eu fomos recebidos no Hotel ITC Rajputana!



No mesmo final de tarde de 11/09/2015, Netinha e eu visitamos o templo Shri Lakshmi Narayan, onde pudemos ver uma celebração Hinduísta muito bonita, por sinal! Lógico que os sapatos têm que ser retirados...









Esse Templo Hinduísta fica logo abaixo do Moti Dungri Fort:





E à noite, no Hotel ITC Rajputana, tivemos uma grata surpresa musical, no jantar!!! Dois Músicos tocando Sitar (Instrumento de Cordas) e Tabla (Tambores). Lembrei-me das gravações de Ravi Shankar (Sitar) e Alla Rakha (Tabla)!!!







E, no dia seguinte, 12/09/2015, Netinha e eu fomos conhecer o Forte Amber, o "ponto alto" de Jaipur, com a típica subida no lombo dos elefantes!!! Em Jaipur, Netinha e eu deparamos com os mais chatos, insistentes e teimosos vendedores, o que é bastante comum em toda a India, mas muito mais em Jaipur...







Nas duas fotos abaixo, dentro do Forte Amber, o Ganesh Pol, construído em 1640:









Reparem nos diversos espelhos existentes nesse "palácio", chamado Sheesh Mahal: a chama de uma única vela refletida nos pequenos espelhos transforma-o em algo similar a um céu estrelado!!!



Também não poderia faltar o "encantador de serpente"...



Netinha e eu prosseguimos com o passeio em Jaipur. À tarde, nós conhecemos o Palácio da Cidade e também o Observatório Astronômico (Jantar Mantar) onde existe um dos maiores Relógios de Sol do mundo (Samrat Yantra))!!!

O Maharaja Sawai Man Singh II Museum, conhecido como City Palace Museum, conta a História de Jaipur, através de pinturas em miniatura, manuscritos, tapetes moguis, instrumentos musicais, trajes reais, armamentos, etc.







Encontram-se também no Palácio da Cidade dois vasos de prata do Diwan-i-Khas, mencionados no Guiness Book como os maiores objetos de prata do mundo!!! Madho Singhj II viajou para Londres em 1901 tendo levado nesses vasos a "Água Sagrada" do Rio Ganges, para consumo pessoal na Capital Britânica!!!





Ainda dentro do Palácio da Cidade, o Mubarak Mahal:



Dentro do Jantar Mantar (Observatório), o Samrat Yantra: Relógio de Sol com 23 metros de altura, que prevê as perspectivas para a colheita do ano:



E, no dia seguinte, 13/09/2015, pela manhã, fotografamos o Hawa Mahal, que é o famoso Palácio dos Ventos, ainda em Jaipur. Pelas construções em arenito avermelhado, Jaipur é conhecida como a Cidade Rosa. O Palácio dos Ventos é formado pelo "rendilhado" das suas 953 janelas em estilo Barroco (jharokhas).

Construído em 1799, o Hawa Mahal é o mais famoso e um verdadeiro símbolo da capital do Rajastão. O mesmo foi erigido por ordem do Maharajá Sawai Pratap Singh, neto do Maharajá que fundou Jaipur e tinha como finalidade permitir às mulheres do seu harém poderem observar o movimento, a animação e as procissões das ruas sem que os transeuntes se apercebessem. Naquela época, as damas da corte de Rajput não estavam autorizadas a aparecer em público nem à frente de estranhos. Desse modo, o Palácio dos Ventos dava-lhes uma certa sensação de liberdade e uma oportunidade de estarem em contacto com o mundo sem "quebrar as regras".





Após fotografar o Hawa Mahal, seguimos para Agra, com uma parada em Fathepur Sikri, no mesmo dia 13/09/2015.

Fathepur Sikri, no Estado de Uttar Pradesh, é a cidade deserta que foi construída em arenito cor de rosa pelo Imperador Akbar para ser sua capital e palácio, rapidamente abandonada por causa da escassez de àgua.









E seguimos rumo a Agra para conhecer o famosíssimo Taj-Mahal... Uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno!!!

Na estrada entre Fathepur Sikri e Agra, Netinha e eu conhecemos o que há de mais impressionante no trânsito indiano... O "caos organizado" no trânsito de carros, ônibus, caminhões, motos, biciletas, riquixás, tuk-tuks, pedestres, vacas, bois, etc. Vejam como estava nesse dia a entrada de Agra, a Cidade do Taj-Mahal...





Lógico que as fotos não dizem quase nada sobre o trânsito nas ruas e estradas da India... Desse modo, é quase que "obrigatório" que seja mostrada uma imagem em movimento!!!

Clique aqui e veja como estava o trânsito e ouça as buzinas no momento em que estávamos chegando em Agra nesse final de tarde, por volta das 16:38, no dia 13/09/2015!!!. Conforme foi mencionado, o "caos organizado" no trânsito de carros, ônibus, caminhões, motos, lambretas, biciletas, riquixás, tuk-tuks, pedestres, vacas, bois, etc. É incrível como que a gente se vê num trânsito como esse, com tanto "buzinaço" e, de um certo modo, é pequena a estatística de acidentes, em face da maneira tão perigosa e os desvios tão bruscos de quem dirige... Isso é um pouquinho da India... Entrada de Agra, a Cidade do Taj-Mahal...

Chegamos em Agra na noite de 13/09/2015 e a hospedagem foi no Hotel ITC Mughal. No dia seguinte, a principal atração turística da India, que é o famosíssimo Taj-Mahal!!!

Antes, porém, foram preparados os trajes adequados para a ocasião: as Mulheres de Sari, a veste feminina típica indiana, e o "Maharajá" também se vestiu a caráter!!!





Fiquem tranqüilos: Netinha é a preferida deste "Maharajá"...



O Taj-Mahal representa "O Amor Expresso em Mármore"... O mausoléu foi construído em memória da Imperatriz Mumtaz Mahal e é considerado como o monumento maior ao amor que já foi construído.

Construído entre 1622 e 1653, o monumento levou 6 anos para ficar pronto. Classificado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, o Taj Mahal é também considerado como uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo Moderno!!!

Cerca de 20 mil homens trazidos de várias cidades do Oriente, trabalharam na construção do suntuoso monumento de mármore branco que o imperador Shah Jahan mandou construir em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal ("A Jóia do Palácio"), que havia falecido após dar à luz o 14º filho, tendo o Taj Mahal sido construído sobre seu túmulo, junto ao rio Yamuna.

Desse modo, o Taj Mahal é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo versículos do Corão (O Alcorão, o Livro Sacrado da Religião Muçulmana). É incrustado com pedras semipreciosas, tais como o lápis-lazúli, sentre outras, e sua cúpula é costurada com fios de ouro. O edifício é ladeado por duas Mesquitas e cercado por quatro Minaretes (as características torres das Mesquitas Islâmicas).

Consta também que o imperador pretendia fazer uma réplica do Taj Mahal original na outra margem do rio, em mármore preto e, desse modo, acabou sendo preso e morto, antes do início das obras, por um de seus filhos, que consideravam uma loucura total um outro gasto de dinheiro tão exorbitante...

Vejam alguns detalhes interessantes sobre o Taj-Mahal nesse link da Wikipedia.

Naturalmente que, durante essa Viagem, foi o local mais fotografado pela maioria dos Turistas. Foi feita inclusive uma "Foto do Grupo" da Queensberry com excelente acessoria da Guia Esperanza e também do Guia Indiano Sudan, que nos acompanharam durante todo o Tour.



















E Agra não acaba por aí... Depois do almoço, visitamos o Forte de Agra!

O Agra Fort conhecido também como "Lal Qila" ou "Forte Vermelho de Agra", localiza-se na margem ocidental do Rio Yumana, que banha a cidade de Agra. O mesmo fica a 2,5 Km do célebre Taj Mahal e é uma cidade-palácio fortificada.

Também reconhecido como Património Mundial pela UNESCO, o Forte Agra é uma construção imponente em Arenito Vermelho e que rodeia um enorme complexo de edifícios palacianos. Essa Fortaleza Mongol, uma das mais notáveis da Índia, foi construída entre 1565 e 1573 pelo imperador Akbar. O neto deste mesmo imperador, Sha Jahan (o mesmo que construiu o Taj Mahal), acrescentou-lhe edifícios em mármore branco, transformando o forte num palácio. Com o passar do tempo, o forte se transformou na "prisão de ouro" de Sha Yahan, quando seu filho lhe arrebatou o poder e o manteve prisioneiro nesse lugar, durante os seus últimos oito anos de vida. Conforme já havia citado logo acima, consta que o imperador Sha Jahan também pretendia construir uma réplica do Taj Mahal original na outra margem do rio, que seria em mármore preto e, por esse motivo, acabou sendo preso, pelo próprio filho, que considerava uma loucura total um outro gasto de dinheiro tão exorbitante...













Conforme já citado, do Forte Agra, dá prá ver o Taj-Mahal... Sha Jahan passou seus últimos dias aprisionado e com a visão do mausoléu que havia erguido para a sua "favorita"...















Confesso que, a partir desse momento, qualquer outra atração na India seria, vamos dizer, "de interesse secundário", já que havíamos visitado o suntuoso Taj-Mahal e, como se isso não bastasse, na mesma cidade de Agra, o Forte que foi a prisão do próprio construtor do Taj Mahal...

Já havíamos visto o que pode se dizer que é o mais importante da India, como o Forte Amber em Jaipur, o passeio de Elefante, o Taj Mahal, o tão característico trânsito com os riquixás, tuk-tuk' s, bicicletas, motocicletas, carros, ônibus, caminhões, vacas, bois, etc. e tal, onde as buzinas são "obrigatórias"...

Mas a nossa Guia Esperanza, da Queensberry, nos garantia que "... A Viagem à India ainda não havia nem começado..." Muitas surpresas ainda estavam reservadas para os próximos dias... O Trem, mais "rodovias", mais Monumentos Históricos (a India é o País que possui a maior quantidade de lugares reconhecidos Patrimônio Mundial da Humanidade, além de possuir uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno)...

Também foi essa a Viagem na qual Netinha e eu utilizamos a maior variedade de meios de transporte, já que andamos de Avião, Ônibus, Trem, Van, Riquixá, Tuk-Tuk, Elefante, Barco... Só faltou moto e bicicleta...

No dia seguinte, 15/09/2015, pegamos o Trem de Primeira Classe, o Shatabdi Express, da Indian Railway, que partiu de Agra às 08h:15min com destino a Jhansi, onde chegamos por volta das 10h:45min. De Jhansi, prosseguimos com nossa Viagem em ônibus de turismo, com destino à Khajuraho, com uma paradinha em Orshha...

Trata-se de um Carro de Passageiros de Primeira Classe com serviço de bordo, toilette e tudo o mais, apesar da aparência de "velhinho e mal conservado", esse Trem é o mais veloz da India, país que possui a maior malha ferroviária do planeta, apesar de que a mesma é insuficiente para a população de 1,2 bilhões de habitantes...

Tanto é que, nas classes mais simples, os trens costumam viajar super-lotados, com passageiros inclusive no teto e pelo lado de fora, principalmente em épocas de Festividades nas cidades-destino das composições...

E, com isso, até mesmo na India, eu "sinto vergonha de ser Brasileiro", já que há um tempão que nós precisamos em caráter de urgência, de malhas ferroviárias para integrar o Brasil, tanto em trens de carga, como também de passageiros... Mas, por enquanto, trem de linha no Brasil, só o que viaja de Belo Horizonte-MG até Cariacica-ES, da Estrada de Ferro Vitória-Minas...

Seguem algumas fotos da Estação Ferroviária de Agra e do Shatabdi Express:





Nosso Trem vem chegando e, acreditem se quiser, uns 14 minutos adiantado!!! Só que em Jhansi, ele chegou com uns 15 minutos de atraso... Perfeitamente normal para a India... Nesse ponto a India é bem similar ao Brasil...



Dentro do Trem, na Primeira Classe!!!







Um pouquinho do que vimos no meio do percurso do Trem, nas diversas estações...





Encontramos até sósias de Jesus Cristo e Mahatma Gandhi nas estações do percurso... As fotos não estão nítidas pois foram tomadas de dentro do Trem e pegaram o reflexo do vidro da janela... Até nesse aspecto, as surpresas na India não terminavam...





Descemos do Trem em Jhansi e pegamos o ônibus de turismo rumo a Khajuraho... Vejam os Carregadores Oficiais, de camisa vermelha e calça preta, transportando nossa bagagem (na cabeça!!!) do Trem até o Ônibus!!! A mala verde é nossa!!!



E vejam adiante mais surpresas e coisas sui-generis que vimos no meio do caminho... Afinal, não dá prá não repetir a frase que diz que "Isso é India"... Daqui a pouquinho essa frase vai se transformar num "Mantra"... Nas fotos abaixo, uma paradinha em Orchha, com uma "feirinha típica" e o Templo Chaturbhuj!!! Tudo isso no mesmo dia 15/09/2015...

De acordo com a Wikipedia, Orchha é uma cidade no distrito de Tikamgarh, no Estado Indiano de Madhya Pradesh, e com apenas 8.501 habitantes, de acordo com o recenseamento de 2001.









Muitas cidades interioranas da India ainda não possuem Água Encanada. Vejam a Bomba D' Água:



Lógico que as Vaquinhas fazem parte da Paisagem Indiana!!! Ao fundo, nosso ônibus de turismo, branco!!! A branquinha era mansa, mas a marrom estava bem estressada e fez alguns "movimentos bruscos" com a cabeça, assustando alguns Turistas... Mas o nosso Guia Turístico Indiano, Sudan, nosso "Guru" (de boné e camisa xadrez), acalmou a vaquinha marrom...







Para aquelas típicas pinturas que se coloca na testa... Vejam a variedade de cores!!!



Subindo as escadas do Templo Chaturbhuj em Orchha, no mesmo dia 15/09/2015!!! Nesse Templo, além do "tradicional" tirar os sapatos, também não pode entrar nada que seja feito de couro, já que a Vaca é sagrada. Desse modo, bolsas, cintos, etc., feitos desse material eram proibidos no interior do templo, cujo interior não pôde ser fotografado...









E, "prá variar", mais alguns aspectos das estradas indianas... Dessa vez a gente até desceu do ônibus de turismo, para fazer algumas fotos, na estrada entre Orchha e Khajuraho:











Em Khajuraho foi apenas uma noite, mas a manhã do dia seguinte foi bem aproveitada!!! Pela programação, era só nesse hotel que nós ficaríamos apenas uma noite. Em todos os demais, estavam programadas duas ou três noites... Mas... As surpresas indianas não terminavam... Mais adiante, vocês verão o que a Air India aprontou com a gente... Mas, vamos por partes...

Khajuraho, é uma cidade repleta de Templos que evocam diversas nuances. Conforme mencionei, foi apenas uma noite (no Hotel Taj Chandela) e, no dia seguinte, pela manhã, seguimos "de mala e cuia" no ônibus de turismo, rumo ao Aeroporto, ocasião que nós começamos a conhecer a Air India...

Na manhã do dia 16/09/2015 visitamos os os famosos Templos de Khajuraho os quais retratam...

Bem... Antes de prosseguir, solicito que, por favor, retirem as crianças da frente do computador...

O que eu vou mostrar agora é impróprio para menores de 21 anos...

Nesses Templos de Khajuraho, pudemos conhecer as famosíssimas Esculturas do Kama Sutra, com erotismo e sensualidade.

Coincidência ou não, Kama = Sexo; e Sutra = Ciência... A Ciência do Sexo... Curiosamente a pronúncia Kama é igualzinha à nossa Cama onde podemos dormir, ou... Será que é mera coincidência?

Como a India nos surpreende a cada momento...

Bem... Vamos prosseguir: Os Templos Kandariya Mahadev e Chitragupta são alguns exemplos da Arquitetura Indo-Ariana e foram construídos ao longo de cem anos, desde o ano 950 até ao ano 1050 d. C., pela Dinastia Chandela (o nome do hotel onde nos hospedamos nessa cidade!), que dominava a India Central nessa época.

O belíssimo conjunto arquetetônico é dotado de uma área central protegida por uma muralha com 8 portões, cada qual com duas palmeiras de ouro. Na época áurea da cidade, contavam-se mais de 80 Templos Hindus, dos quais apenas 22 se encontram em estado razoável de conservação, espalhados numa área de cerca de 21 quilômetros quadrados.

Também reconhecidos pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, os Templos de Khajuraho são um exemplo da ligação entre a Religião e o Erotismo, sendo excelentes demonstrações dos Estilos Arquitectónicos da Índia, e que ganharam popularidade devido à representação lascíva de alguns aspectos da forma de vida tradicional, durante a época medieval naquela região.

Foram redescobertos somente durante o Século XX, após terem sofrido bastante com o crescimento das selvas circundantes, as quais causaram prejuízos a alguns dos monumentos. O declínio económico e financeiro dos Chandelas Rajputs é tido como a razão principal para o abandono do local como centro de culto e vida social, sendo por isso a principal causa da deterioração provocada pela ação dos elementos da natureza aos monumentos.

O mais notável dos templos é o Kandariya Mahadev, que representa o auge da Arte da Arquitetura Sacra do Norte da India. São mais de 800 imagens que embelezam o Templo, e que retratram deuses, deusas,. animais, guerreiros, donzelas sensuais, dançarinos, Músicos e, lógico, cenas eróticas pelas quais os templos desse lugar ganharam fama...

De acordo com a Wikipedia, " Algumas correntes de opinião mais críticas catalogam os Templos de Khajuraho como uma forma de expressão do Hinduísmo ligada ao nudismo ou o sexo, mas as correntes de opiniões contrárias contrapõem, afirmando que, na atualidade, os templos não têm expressão religiosa existente, servindo apenas como meros monumentos.

A dinastia Hindu Rajput, dos Chandelas, era seguidora do Culto Tântrico, segundo algumas opiniões, muitas vezes mal interpretado, que crê na gratificação dos desejos terrenos como um passo adiante para atingir a libertação total (e posteriormente o Nirvana).

Pensa-se que os segmentos filosóficos do Tantrismo, como é o exemplo do "Mahanirvana Tantra" tenham sido completamente esquecidos após o abandono do local como forma de culto, o que pode explicar o porquê dos grupos têntricos terem desaparecido.

(...)

Nenhum dos templos de Khajuraho contém temas relacionados com a sexualidade nas suas áreas interiores, estando a representação erótica presente apenas através das esculturas nas paredes exteriores de alguns templos.

A razão para esta organização dos elementos eróticos estará ligada ao fato de que, o visitante crente que pretendia estar perto da divindade, deveria deixar os seus desejos sexuais fora do Templo. Seria assim experimentada por parte do crente, uma Pureza Interior Inerente à Divindade com o qual se pretenderia manter contacto, mantendo igualmente a Pureza de Atman (ou da Alma) para que não houvesse lugar a um estado de desejo ou tendências grosseiras, medo do destino, etc.

Os elementos eróticos estão presentes apenas em cerca de dez por cento de todas as esculturas, representando cenas de erotismo ou sexo entre figuras humanas e não entre divindades. As restantes esculturas representam situações da vida social da altura, como são os exemplos das esculturas que representam mulheres a colocar maquiagem, Músicos, oleiros, camponeses, etc. Todas estas representações estão fora das Zonas Sagradas dos Templos, indicando que o visitante crente deveria tomar os deuses como o ponto central da Vida, mesmo quando existem assuntos normais da vida para tratar.

É um erro comum concluír que, uma vez que o complexo de Khajuraho é constituído por templos, estes representam práticas sexuais entre divindades. Nos Templos de Khajuraho, os idolos de Shiva, Nandi, Princesa Durga, representações de encarnações de Vishnu, etc. estão completamente vestidos. Na Índia, não existem Templos que contenham representações de idolos ou divindades em poses de nudismo ou em posições eróticas. "


Dito isto, vamos a algumas fotos... Conforme já recomendei, mantenham a criançada longe do computador...

























Reparem também na área verde e ajardinada no entorno dos Templos de Khajuraho:





Ainda em Khajuraho, conhecemos também outro complexo de Templos Jainistas: Parsvanatha, Bhagwan Shantinath e Adinath:



















Tudo isso, Khajuraho, foi na manhã de 16/09/2015!!! Logo após, partimos para o Aeroporto e voamos para Varanasi!!! Para esse mesmo dia, â noite, muitas surpresas ainda nos aguardavam, além de termos tido também o primeiro contato com a Air India...

Voamos então de Khajuraho para para a Cidade Santa de Varanasi (também conhecida como Benares), o principal Centro do Hinduísmo desde tempos imemoráveis.

Varanasi é também a Cidade-Natal do inesquecível Sitarista Ravi Shankar, que, conforme já havia comentado no início, é o Fundo Musical desse micro-site, solando o Sitar, interpretando "Dhun" !

E, prá variar... Mais surpresas no Território Indiano... De tanto repetir isso, acho que vai acabar se transformando num "Mantra"...

Em qualquer aeroporto indiano, é necessário que tenhamos em mão o Passaporte e também o impresso do número do Vôo (o equivalente ao antigo Bilhete Aéreo), para que possamos entrar no aeroporto.

Quanto às "regras do jogo", nada podemos afirmar, pois em cada vôo, existe um diferente conjunto de critérios... É normal que, além de passarmos a bagagem, tanto de mão, quanto a bagagem a despachar, no Raio-X, eles peçam para abrir alguma mala ou mochila, caso tenham alguma dúvida...

E não é apenas o Raio-X: existem também as filas masculina e feminina, pois as autoridades também fazem as revistas "apalpando".

Para garantir que não se perca o Vôo, é necessário reconfirmar pelo menos duas vezes!!! Isso também é válido para o Trem!!! Nesse aspecto, é fundamental que uma Viagem pela India seja feita em Pacote Turístico!!!

Nossa Guia Esperanza, da Queensberry, e o nosso Guia Local Sudan, nessa Viagem, foram de fundamental importância, pois eles prestaram uma excelente assistência no Embarque, nos 4 Vôos Domésticos que fizemos com a Air India, nessa Viagem!!! Também foi fundamental a atuação deles no problema ocorrido na conexão de Vôo em Mumbai, quando voávamos de Varanasi para Udaipur no dia 18/09/2015!!! Mas isso será relatado mais adiante... Por enquanto, vamos falar de Varanasi!!!

Nas fotos abaixo, a fachada do Aeroporto de Khajuraho, o Avião Airbus 320 da Air India, no Aeroporto de Khajuraho, e nossa Guia Esperanza, da Queensberry, no Aeroporto de Varanasi:







E novas surpresas nos aguardavam na efervescente Varanasi na noite do mesmo dia 16/09/2015!!!

Desnecessário dizer que o ônibus não podia entrar nas estreitas e movimentadíssimas ruas de Varanasi... Desse modo, o nosso "by night" teve também um "transporte vip" num "confortável" Riquixá = Triciclo em Hindi!!!





Mesmo assim, o Riquixá só pôde ir até um certo ponto... Após uns 20 minutos de Riquixá, mais uns 20 minutos a pé, até as escadarias do Rio Ganges...









Vejam a "folga" das vacas...





Até uma Igreja Católica nós vimos no trajeto do Riquixá...



Clique aqui e veja como foi o nosso passeio a pé pelas estreitas e confusas ruas de Varanasi, após desembarcar do Riquixá, na noite de 16/09/2015!!!

O movimento é sempre assim nas estreitas ruas de Varanasi, todos os dias do ano!!! Não tem "baixa estação"!!! Depois dessa caminhada, "driblando os inúmeros vendedores", chegamos às famosas escadas do Rio Ganges...





E pegamos o barquinho para ver Cerimônia das Luzes numa "panorâmica"...









Antes da Cerimônia Hindu, o barquinho nos levou até próximo ao Crematório: muito diferente do conceito que temos no Ocidente, já que o Ritual da Cremação na India é muito mais antigo!!!

"Com um pouquinho de boa vontade", pode-se observar ao fundo que existem algumas fogueiras! No Hinduísmo, o corpo é cremado numa fogueira, durante umas 4 horas, e os familiares do sexo masculino acompanham a cremação, o que não é permitido aos familiares do sexo feminino, já que os Hinduístas afirmam que "mulher sempre chora no funeral e homem é forte" e, desse modo, a característica "choradeira" dificultaria a passagem da Alma para a Próxima Fase, a Salvação, o Paraíso...

O leitor desse micro-site deve estar "estranhando" a não existência de fotos de close, no entanto, fomos alertados que, em maior aproximação, as piscadas de flash e/ou filmagem, poderiam despertar "reações hostis" da família dos falecidos, em momento de tão grande dor...





Tem então início a Cerimônia das Luzes:









Pequenas velas acesas são colocadas na Água do Rio Ganges... Elas "navegam" alguns metros rio abaixo e, quando apagam, é sinal de que os pedidos serão atendidos, mais cedo ou mais tarde...



Lógico que fotos jamais serão suficientes!!! Também é quase que "obrigatório" que seja mostrado esse Ritual em audio e video!!!

Clique aqui e veja como foi a Cerimônia das Luzes em, Varanasi na noite de 16/09/2015!!!

Clique aqui e veja outro vídeo da Cerimônia das Luzes de, Varanasi na noite de 16/09/2015!!!

Conforme eu já havia citado, a Cerimônia das Luzes acontece todos os dias no início da noite, assim como o Banho no Rio Ganjes todas as manhãs no Nascer do Sol!!!

De volta às escadarias...



E há também os que, em idade avançada, se despojam da casa e de todos os bens materiais e optam por terminar seus dias em Varanasi, acreditando que estarão no caminho mais certo para a Purificação da Alma... Eles aguardam pacientemente o final de seus dias e, desse modo, sempre querem um dinheirinho, após serem fotografados, pois, afinal, eles precisam comprar a lenha para a cremação deles, quando deixarem esse mundo...



Esse foi o nosso "by-nighr" em Varanasi... Retornamos a pé por aquelas mesmas ruas estreitas, com o constante "assédio" e "encheção de saco" por parte dos vendedores ambulantes (o "Karma" do Turista na India, como afirmou sabiamente a nossa Guia Turística Esperanza, da Queensberry) pegamos novamente o Riquixá, retornamos ao ônibus e fomos para o hotel, para jantar, tomar banho (não no Rio Ganges...) e dormir, para o "despertar feliz" às 04:00 da manhã de 17/09/2015... Para ver o "Banho de Purificação no Ganges", que acontece todos os dias na hora em que o Sol desponta...

Na manhã seguinte, fizemos o mesmo caminho nas ruas estreitas de Varanasi e descemos as escadas para pegar novamente o barquinho...



Mais Vaquinhas...





O Sacerdote...



E... o Banho Sagrado no Ganges:



































E, na mesma manhã de 17/09/2015, após assistir ao Banho no Rio Ganges, visitamos a Universidade Hindu Banaras, onde se localiza também o Templo Shree Vishwanath:







O Fundador: Pandit Madan Mohan Malaviya (1861 - 1946):



Retornamos então ao hotel para o Café da Manhã. Logo após, seguimos para o Templo da Mahabodhi Society of India, que é o primeiro Templo Budista da India, e que fica junto ao Parque dos Cervos em Sarnath, o local onde Gautama Buddha iniciou os ensinamentos do Dharma aos seus primeiros Discípulos.

Buda, que, em Hindi, significa "Iluminado", foi o nome dado a Siddhartha Gautama, Líder Religioso que viveu na Índia, e cuja bondade e sabedoria lhe valeram esse Título, sendo considerado pelos Budistas o "Supremo Buda", o fundador do Budismo.

Siddartha Gautama, O Buda, nasceu por volta do ano 563 a. C., em Lumbini, tendo sido criado no pequeno principado de Kapilavastu, situado numa região setentrional e montanhosa que, na época, fazia parte do Território Indiano, e que hoje em dia pertence ao Nepal. Filho do Rei da Dinastia Sakia, Buda ficou órfão de mãe poucos dias após seu nascimento.

Saiba um pouquinho mais sobre o Buda no site e-Biografias!













Pinturas no Interior do Templo rememoram episódios da vida do Buda, do nascimento até o fim de seus dias nessa Vida.







Netinha com alguns peregrinos:





















O fundador da Mahabodhi Society of India: Anagarika Dhammapala.



"Mais surpresas nos aguardavam"... Acho que, de tanto repetir essa frase, vai acabar mesmo virando um "Mantra"... No dia 18/09/2015 o que estava programado era o nosso Vôo de Varanasi para Udaipur, onde passaríamos duas noites, com um bom tempo para descanso, no entanto, a Air India fez o favor de atrasar em mais de duas horas nosso Vôo de Udaipur para Mumbai (antiga Bombaim) e, desse modo, todo o nosso Grupo Turístico perdeu a conexão (que seria imediata) de Mumbai para Udaipur!!!

E, como se isso não bastasse, não havia mais nenhum Vôo nesse dia de Mumbai para Udaipur e, desse modo, "ganhamos" uma noite e um city-tour em Mumbai, cidade que não estava programada no roteiro e o nosso Vôo para Udaipur se deu somente no dia 19/09/2015 à tarde, no mesmo horário do dia anterior, e, desse modo, nossas duas noites pré-programadas se reduziram em apenas uma noite em Udaipur, de modo que tivermos de "compactar" as programações, como será visto logo adiante!!!

Lógico que foi um enorme "chá de aeroporto" em Mumbai, a cidade mais populosa da India!!! Foram mais de 3 horas de intensa negociação dos nossos Guias Sudan e Esperanza, para que a solução fosse a melhor possível!!!

E, por conta da Air India que, diga-se de passagem, não fez mais do que a obrigação, ficamos uma noite "improvisada" em Mumbai, ganhamos um jantar, um almoço e um city-tour!!! E o ônibus que nos transportou até o hotel também não tinha espaço suficiente no bagageiro e diversas malas foram no corredor do ônibus, entre as poltronas...

Tudo, em cima da hora, além de ter sido uma época de festividade!!! Imaginem, por exemplo, como seria chegar no Rio de Janeiro-RJ na noite de 30 de Dezembro, à noite, e precisar resolver de última hora algum problema "burrocrático", tendo que conseguir um Vôo para o mesmo dia ou dia seguinte, e também hospedagem e serviços!!!

O que acontecia em Mumbai era o Festival Ganesh (Ganesh Chaturthi), que é uma série de festejos religiosos que dura 10 dias e, desse modo, Mumbai estava "parada"... A própria Air India havia alegado que só estavam presentes dois Funcionários no escritório da empresa!!!







De acordo com a Wikipedia, "Ganesh é uma Divindade muito amada e frequentemente invocada, já que é o 'deus da boa fortuna', que proporciona prosperidade e fortuna é também o 'destruidor de obstáculos' de ordem material ou espiritual. É por este motivo que sua graça costuma ser invocada pelos seus devotos antes de eles iniciarem qualquer tarefa (por exemplo: viajar, prestar uma prova, realizar um assunto de negócios, uma entrevista de trabalho, realizar uma cerimônia etc.) com Mantras como: Aum Shri Ganeshaya Namah ('salve o nome de Ganesha'), ou similares. É também por esse motivo que, tradicionalmente, todas as sessões de Bhajan (Cântico Devocional Hindu) iniciam com uma invocação de Ganesha, o Senhor dos 'bons inícios'. Por toda a Índia de Cultura Hindu, o Senhor Ganesha é a primeira deidade colocada em qualquer nova casa ou Templo."

Dito isto, vamos às fotos de Mumbai, a antiga Bombaim, que teve seu nome modificado, para uma palavra, de um certo modo, "mais Hindi e menos Britânica", já que o final do domínio britânico sobre a India se deu no ano de 1947, graças à Maravilhosa Liderança e Espiritualidade de Mahatma Gandhi!!!

Banhada pelo Mar Arábico, na Costa Oeste da India, Mumbai foi a única cidade litorânea que vimos nessa Viagem pela India. Seguem algumas fotos do Mar Arábico, e também da conhecidíssima Porta da India. Reparem que o tempo estava chuvoso em Mumbai, sendo que os dois únicos dias de chuva nessa Viagem foram os dias 19 e 20/09/2015, em Mumbai e Udaipur, respectivamente.







Nessa foto, a fachada do famosíssimo Hotel The Taj Mahal Palace de Mumbai, inaugurado no dia 16/12/1903 e que, no dia 26/11/2008, foi avariado devido uma série de atentados terroristas no sul da cidade de Mumbai. O telhado do hotel chegou a ser destruído pelo incêndio horas após os ataques...

Um detalhe: não foi nesse hotel que a Air India nos hospedou...



Lembrando também que Mumbai (Bombain) é também a Cidade-Natal do excelente Maestro Zubin Mehta!!!

Nas próximas fotos, mais alguns aspectos de Mumbai:







Vimos, de dentro do ônibus, alguns desfiles que faziam parte do Ganesh Chaturthi!







E, como dizem que "nada acontece por acaso", nesse inesperado city-tour em Mumbai, visitamos também a casa de um amigo onde Mohandas Karamchand Gandh (02/10/1869, Porbandar, Índia - 30/01/1948, Nova Delhi, Índia), a inesquecível "Grande Alma", que foi o Mahatma Gandhi, se hospedava, quando viajava para Bombaim: Gandhi Mani Bhavan!!!













Simples fotos e palavras jamais serão suficientes para descrever o Significado de Mahatma Gandhi, que é considerado o Pai da India!!!

As cédulas da moeda indiana variam na cor, conforme os valores, no entanto, em todas elas existe o retrato dele, que foi a Grande Alma!!! Logo abaixo, a nota de 100 Rúpias que, em Setembro de 2015, valia aproximadamente R$ 7,00 (ocasião na qual o Dollar Americano, no Brasil, estava em alta e estava cotado em aproximadamente R$ 4,00):



Desse modo, fechamos Mumbai com "Chave de Ouro"!!! No mesmo dia 19/09/2015, à tarde, seguimos para Udaipur, no mesmo Vôo que teria sido no dia anterior, no mesmo horário, se a Air India não tivesse atrasado o Vôo de Varanasi para Mumbai, fazendo com que perdêssemos a conexão!!!

Não perdemos praticamente nada do que estava programado em Udaipur, já que a Queensberry e a Operadora Local fizeram a adaptação do nosso roteiro, o qual foi "compactado" e, desse modo, fizemos os passeios "de mala e cuia"!!! Do Aeroporto de Udaipur visitamos um Sítio Arqueológico e um Templo Hinduísta, para só então chegarmos ao hotel. E, no dia seguinte, fizemos os passeios também "de mala e cuia" e seguimos para o Aeroporto, para mais um Vôo Doméstico da Air India dessa vez de Udaipur prá Delhi, no dia 20/09/2015!!!

Mas... "vamos por partes"...

De clima ameno, e com chuva, Udaipur, situada no Estado do Rajastão, foi a cidade "menos quente" e com a temperatura mais agradável que nós conhecemos nessa Viagem pela India. E também a mais alta, já que a altitude é a 600 metros do nível do mar.

Essa belíssima cidade se localiza às margens do Lago Pichola e é cercada por montanhas.

Do Aeroporto Maharana Pratap, seguimos "de mala e cuia" para o Sítio Arqueológico SAS Bahu Temples, onde visitamos o Templo de Nagda, dedicado a Lord Shiva (deus da Morte) e Lord Vishnu (deus Protetor do Universo)!!!





















Ainda "de mala e cuia", seguimos então para o Templo Shri Eklingnath. Nas fotos seguintes, as aspectos do entorno do respectivo Templo, que, quase que nem dá prá ver, já que o mesmo fica "camuflado" no meio das demais construções (da "paisagem campestre" do Templo do Sítio Arqueológico e um Templo Hinduísta, voltamos a lembrar que estávamos na India!!!).

















Fomos então para o hotel e, no dia seguinte, prosseguimos com o Tour em Udaipur, novamente "de mala e cuia", já que o tour havia sido "compactado" e o tempo era bem curto...

Uma vista do Lago Pichola:



Visitamos, de início os Jardins Sahelion Ki Bari, com suas numerosas fontes, piscinas e elefantes.















E, dos Jardins Sahelion Ki Bari, seguimos para o complexo City Palace, que foi construído em 1725, em mármore e granito, com muitas salas e pátios, e com atrações sui-generis, tais como o Fateh Prakash Palace e o Templo Jagdish!!!













































Do alto do City Palace, as vistas panorâmicas de Udaipur, incluindo o Palácio Jag Mandir, no Lago Pichola, e que atualmente é um dos hotéis mais bem conceituados de Udaipur:









Na mesma manhã, em Udaipur, visitamos também o Templo Jagdish:















Pegamos então o barquinho e fechamos Udaipur "com chave de ouro", visitando o Palácio Jag Mandir, no Lago Pichola:























Fomos então para o Aeroporto Maharana Pratap e pegamos mais um Vôo Doméstico da Air India e seguimos rumo a Delhi!!!

Chegamos em Delhi na noite de 20/09/2015 e a hospedagem foi novamente no Le Meridien, próximo ao Setor das Embaixadas, na Nova Delhi.

Saímos então na manhã de 21/09/2015 e começamos pela "Velha Delhi", no Bairro Islâmico, onde se encontra a Mesquita Jama Masjid (que é a maior de todo o território Indiano, com capacidade para 25.000 Devotos) e também o Chandni Chowk, que é o Mercado das Especiarias!!!



























Após a Mesquita, Netinha e eu seguimos para o Chandni Chowk, o Mercado das Especiarias!!!

Assim, como em Varanasi, nas ruas estreitas e confusas desse Bairro Islâmico, o mais antigo da "Velha Delhi", Netinha e eu passeamos mais uma vez de Riquixá, o típico triciclo tão comum nesse país tão exótico!!!



Reparem no trânsito e no movimento de pedestres, vacas, Riquixás e Tuk-Tuk' s!!!































Seguimos então para o Memorial Raj Ghat, que é o lugar onde foi cremado o corpo do Mahatma Gandhi, após o assassinato ocorrido em 30/01/1948.















Seguimos então para o Túmulo de Humayun.

O último refúgio do Imperador Mogol Humayun lembra mais um luxuoso palácio, do que um túmulo propriamente dito. Localizado na parte oriental de Delhi, Humayun' s Tomb é um dos mais bem preservados monumentos Mogóis (Mughal). Este mausoléu é o primeiro exemplo da Arquitetura de Mughal na India e, curiosamente, um século após sua construção, Humayun' s Tomb acabou inspirando a construção do famosíssimo Taj Mahal.

O Túmulo de Humayun foi construído graças à iniciativa de sua viúva Hamida Banu Begum, que iniciou a construção de um mausoléu para o marido, que havia falecido em 1565. A construção foi concluída em 1572.

























Depois do almoço, Netinha e eu seguimos para o Qutub Minar, que, com seus 72,5 metros de altura, é o Minarete (a torre da Mesquita) de tijolo mais alto do mundo, sendo também um importante exemplo de Arquitectura Indo-Islâmica. Essa construção foi declarada como Património Mundial da UNESCO no ano de 1993.


























Encontra-se também no complexo arquitetônico do Qutub Minar um intrigante Pilar de Ferro que não se oxida!!!

O Pilar de Ferro de Delhi possui mais de 1.500 anos de existência e possui inscrições indicando que louvava o Rei Chandragupta II (373 - 413). Acredita-se que havia originalmente em seu topo uma imagem do deus hindu Garuda (deus - pássaro).

Esse pilar revela o notável estado de desenvolvimento da Metalurgia Indiana da época dos Guptas (300 - 500). Ele não é composto de "Ferro 100 % puro", mas é, sem dúvida, uma desconhecida "Liga de Ferro da Antigüidade".

De acordo com Erich von Däniken – Autor do excelente livro "Eram os Deuses Astronautas?" - " No átrio de um Templo em Délhi, Índia, encontra-se um pilar construído com pedaços de ferro soldado, que, há mais de 4.000 anos, está exposto às intempéries, sem que mostre o menor vestígio de ferrugem: pois está livre de enxofre e fósforo. Temos aí uma liga de ferro desconhecida, proveniente da Antigüidade"... "

As datas das diferentes fontes de informação não são condizentes, mas... Arqueologia é assim mesmo: eu costumo comentar que quando visitamos um Sítio Arqueológico, "não conseguimos aprender quase nada, mas, descobrimos apenas o quanto ainda somos igonorantes"...







No dia seguinte, 22/09/2015, continuamos nosso tour pela Capital Indiana, cidade essa que é um verdadeiro "caleidoscópio" de diversas diferentes culturas que existiram e que continuam existindo no lugar desde o século XII até os dias atuais!!!

Visitamos, de início, um Templo Sikhi, o Gurudwara Bangla Sahib.

O Sikhismo é uma Religião Monoteísta fundada pelo Guru Nanak (1469 - 1539) ao final do século XV, no Punjab, que é atualmente um Estado Indiano e que se situa na fronteira entre a India e o Paquistão.

o Sikhismo é tido como um sincretismo entre elementos do Hinduísmo e do Islamismo (o Sufismo), e apresenta também alguns elementos originais.

A palavra Sikhi tem sua origem no idioma Sânscrito e significa "Discípulo", "O que Aprende".

A religião enfatiza 9 deveres, os quais são descritos como sendo os Três Pilares do Sikhismo:

  • Nam Japam => Manter Deus presente na mente em todos os momentos.
  • Kirt Karni => Alcançar o sustento através da prática de trabalho honesto.
  • Vand Chhakna => Partilhar os frutos do trabalho com aqueles que necessitam.

    O complexo inclui o Templo, e também uma cozinha, um lago, uma escola e uma galeria de arte.

    Para entrar no Templo, o visitante precisa cobrir a cabeça com uma "bandana" alaranjada, além de retirar os sapatos. A diferença é que o visitante passa por uma pequena "piscina" onde os pés são lavados, o que o diferencia dos demais Templos Hindus e também das Mesquitas, de um modo geral. Fotos no interior do Templo também são proibidas. Somente do lado de fora é que é permitido filmar e/ou fotografar.











    Nos jardins internos do Templo existe também uma espécie de "piscina" conhecida como o "Sarovar", cuja água é considerada pelos Sikhs como sendo "santa" e "com poderes milagrosos de cura". Também tivemos a informação de que a mesma também foi feita pensando nos diversos Peregrinos que se deslocam de grandes distâncias e, lógico, após uma longa viagem, necessitam se banhar... E, "faz sentido", já que, conforme mencionei logo acima, além da obrigatoriedade de se tirar os sapatos, um diferencial desse templo é que a gente também lava os pés, num local apropriado, antes de entrar em suas dependências!



    Na cozinha são preparadas e servidas milhares de refeições para qualquer pessoa que queira, sem distinção.







    O que eu mais gosto na "Culinária Indiana" é o típico Pão Indiano que eles chamam de "Naam": similar a uma "massa de pizza fina", o mesmo também costuma ser servido nos diversos restaurantes durante as diversas refeições e também pode fazer parte do café da manhã!!! Além disso, o mesmo também pode ser consumido em lanchonetes e similares...









    Seguimos depois para um dos mais novos Templos existentes na India, que é o Swaminarayan Akshardham, que é o maior Templo Hindu do mundo, tendo sido planejado pelo Sadhu Shastri Narayanswarupdas e construído com a ajuda de 3.000 Voluntários e 7.000 Artesãos! O mesmo foi inaugurado no dia 06/11/2005. Fotos e filmagens também são proibidas, tendo inclusive "detector de metais" na entrada.







    Fomos também fazer algumas "comprinhas"... Os famosos "bugineer' s" (bugigangas & souvenir' s) que a gente compra para recordar a Viagem e/ou presentear os Grandes Amigos!!! Nessa "parte nova" de Delhi, construída pelos britânicos para ser a Capital da "Índia Imperial", existe uma "rotunda" com diversas lojas e restaurantes, enfim, um vastíssimo comércio, mas bem diferente da localidade do Mercado das Especiarias (Chandni Chowk) na "Velha Delhi"...



    E, como é comum no final de diversos city-tour' s, o Guia Turístico fornece a opção de ficar pouco tempo para as compras e retornar ao hotel no ônibus de turismo, ou então, ficar nas compras e retornar por conta própria, fornecendo sempre as "coordenadas" para escolha do meio de transporte!!!

    Conforme já mencionei, o que não falta na India são os diferentes tipos dos mais sui-generis meios de transporte!!! E, desse modo, por 200 Rúpias (aproximadamente R$ 15,00, na cotação da época), retornamos ao hotel num Tuk-Tuk, que é uma boa opção de transporte para pequenas distâncias, sem muita bagagem, e muito mais em conta do que um taxi!!!







    Nas próximas fotos, mais alguns aspectos de Delhi, a Capital Indiana conhecida também como Cidade Verde:

    Assim como em Mumbai, Delhi também tem a "Porta da India". Havia, por razões que desconheço, um "aparato militar" e não foi permitido ao ônibus de turismo parar para melhores fotos. A foto foi feita da janela do ônibus.





    Mais um pouquinho do trânsito...



    Um edifício de escritórios da Indian Oil, Empresa de Petróleo Estatal Indiana:



    E também uma farmácia, com um detalhe: farmácia na India só vende Remédio. Não vende "perfumarias & similares"...



    E, na rotunda, junto às diversas lojas e restaurantes a Bandeira Indiana:







    E, no dia 23/09/2015, no Aeroporto Internacional Indira Gandhi, em Delhi:



    Até breve, India!!!

    Na Quarta-Feira - 23/09/2015 - Netinha e eu seguimos para o Dubai, pela Emirates!!!

    Passamos 3 noites no Dubai e, com o mesmo Grupo Turístico, Netinha e eu repetimos o passeio no Deserto e o Espetáculo de Dança do Ventre, no dia 23/09/2015 à noite. No dia 24/09/2015 fizemos o city tour panorâmico no Dubai e revisitamos o Dubai Mall, a Dubai Fountain, e o Burj Khalifa, e tiramos novas fotos com o Burj Al Arab ao fundo!!! E, no dia 25/09/2015 revisitamos Abu-Dhabi e revimos a Grande Mesquita Sheikh Zayed Bin Sultan Nahyan, carinhosamente conhecida como Mesquita Branca!!!

    "Revimos" é um modo de dizer, para descrever essa segunda vez em que Netinha e eu estivemos no Dubai e em Abu-Dhabi, já que esses dois Emirados são realmente dois "eternos canteiros de obra" e, de um certo modo, devemos dizer que "conhecemos novamente" Dubai e Abu-Dhabi, já que tinham diversos edifícios cuja construção nem havia sido iniciada quando estivemos pela primeira vez em 2011!!!

    Passeio pelas dunas do Deserto Arábico, no dia 23/09/2015, no Dubai:



    Ao fundo, o Golfo Arábico (também conhecido como Golfo Pérsico) e o famosíssimo Hotel Burj All Arab. E a Bandeira da Equipe Sai da Frente nos Emirados Árabes Unidos:



    Marina de Dubai no dia 24/09/2015:



    Atravessando o "Creek" (um braço de mar que existe no Dubai) num "Abra" (o barquinho típico do "Creek"):



    Netinha e o Burj Khalifa, o edifício mais alto do mundo, no Dubai, em 24/09/2015:



    Netinha e Ricardinho em Abu-Dhabi no dia 25/09/2015:



    A Grande Mesquita Sheikh Zayed, também conhecida como Mesquita Branca, em Abu-Dhabi, no dia 25/09/2015. Em 2011, quando estivemos pela primeira vez nos Emirados Árabes Unidos, a Mesquita Branca estava vazia... sossegada... Como, em 25/09/2015, estávamos num Feriado Religioso Muçulmano, a mesma estava lotada!!!



    Outra foto na Grande Mesquita Sheikh Zayed, também conhecida como Mesquita Branca, em Abu-Dhabi, no dia 25/09/2015:



    Mais uma foto na Grande Mesquita Sheikh Zayed, também conhecida como Mesquita Branca, em Abu-Dhabi, no dia 25/09/2015:



    O "Sheikh" e suas 15 Esposas na Grande Mesquita Sheikh Zayed, também conhecida como Mesquita Branca em Abu-Dhabi, no dia 25/09/2015!!! Não se preocupem!!! Netinha (com o "véu" verde claro) é a Favorita!!!



    E, para "fechar com Chave de Ouro" a Viagem, Netinha e o por-do-Sol na Grande Mesquita Sheikh Zayed, também conhecida como Mesquita Branca, em Abu-Dhabi, no dia 25/09/2015!!!



    E, no dia 26/09/2011, Netinha e eu retornamos para o Brasil pela Emirates!!!

    Clique aqui e veja como foi nossa Viagem ao Dubai e à Jordânia em 2011!!!

    Até breve, India!!! Até breve, Dubai!!! Até breve, Abu-Dhabi!!! Até breve, Emirados Árabes Unidos!!!



    E, de volta ao Brasil, retomem o contato com a nossa Autêntica Música Caipira Raiz: cliquem no banner abaixo e visitem mais uma vez o www.boamusicaricardinho.com:





    A todos, um grande abraço de Netinha e Ricardinho!!!







    Voltar ao Início da Viagem



    Voltar à Página Inicial desse site